Relato das viagens de 15 minutos em carrinho de bebé

Skoda-vRS-Mega-Man-Pram-is-one-pimped-up-baby-stroller

A par de me levantar de madrugada para ir correr no meio da mata, uma coisa que me relaxa de manhã é ir levar o meu filho ao infantário, ao volante do seu carrinho de bebé. Tudo bem que o nível de relax varia em função de sair de casa às cinco para as nove ou às nove e cinco mas, quando se dá este último caso, não é nada que a versão Clint Eastwoodiana ‘Speed Zoo, we go fast’ não resolva (até ao momento, sem danos causados ao mini-cidadão).

O percurso dura cerca de 15 minutos e inclui assim por alto (e não por ordem):

cinco passadeiras (duas delas com semáforos)
85% do percurso em piso de calçada, 15% em alcatrão
uma subida pouco técnica (mas em que o excesso de roupa no Inverno dá origem ao famoso ‘pinguinho de suor nas costas)
uma passagem por uma carrinha do pão, em que é obrigatório passar com o bebé num determinado ângulo, para que os padeiros o possam ver e cumprimentar
uma bomba de gasolina (em que a piada é sempre ‘Então o bebé, abastece gasolina ou diesel?)
duas passagens estreitas entre as traseiras de paragens de autocarro e paredes (nas quais é muito divertido fazer duelos entre o carrinho e testemunhas de Jeová que circulam em pares)

Acima de tudo, é um percurso onde circula muita gente a pé, o que adiciona skills de condução defensiva de carrinhos de bebé, pois há gente que aparenta sofrer de uma doença que as impele desgovernadamente em direcção a nós.

tumblr_m68jthbNM21rs42kqo2_500

Existem também muitos pontos de convívio transitório, em que eu me torno essencialmente invisível, uma vez que a criança é razoavelmente sociável e muitas vezes distribui sorrisos e folhetos pedindo ajuda para um pai tão pobre que só consegue descarregar aplicações gratuitas para o seu smartphone.

Gosto de passar na lavandaria onde cheira a vapor e cenas aromatizadas que contrastam com o cocó de cão que tenho de rodear numa hábil gincana. Gosto do velhote que a essa hora já tempera o dia com uma ou duas cervejinhas na mesinha alta no exterior do café. Não gosto quando o velhote tenta respirar para cima do carrinho, apesar disso adormecer a criança. Gosto de ver o puto a rir-se quando percebe que estamos a entrar na escola, segundos antes de cerrar os olhos naquele ponto do pátio em que é impossível fugir ao reflexo do sol. Não gosto da forma como outros pais arrumam os carrinhos no anexo para esse efeito. Mas gosto muito das formas criativas que arranjo para gerar o caos nesse mesmo anexo, deixando o nosso carrinho arrumado ao mais alto nível.

The-stroller-your-child-deserves---batman-stoller-meme

E embora eu não saiba se ele aprecia tanto a viagem como eu, a minha esperança é que um dia ele se divirta igualmente enquanto empurra a minha cadeirinha até ao jardim e eu me babo que nem um caracol, preocupado apenas com uma coisa: ‘Puto, espero bem que não me vás despejar no lago’.

Anúncios

Tens a certeza disso que dizes?

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s