10 anos depois do final dos Sopranos, I didn’t stop believin’

6C7649970-tdy-130530-ent-The-Sopranos-Finale

Já passaram 10 anos desde o final dos Sopranos, uma série que contribuiu muito para a formação dos meus alicerces morais uma série que contribuiu muito para a forma como avalio o potencial das séries nos dias de hoje, em que se sucedem em catadupa, com um caudal tão vasto que nem em dez encarnações poderíamos acompanhar um terço delas decentemente. Mas, divago.

A verdade é que há dez anos se consumiam séries de forma algo diferente. O ‘binge watching’ esperava muitas vezes pelo lançamento em DVD e, embora já estivéssemos em transição do clássico ‘ver a série quando dava na TV’ para ‘vejo quando quero, no dispositivo que me apetece’, para quem via ao vivo o hábito do consumo moderado de episódios por semana ainda fazia sentido. Não criticando a racionalização actual do tempo, há séries e personagens que merecem uma digestão cuidada entre episódios, coisa que dispensamos quando estamos a aviar temporadas inteiras num fim de semana. Divago novamente.

Preâmbulo sem final feliz

Antes de entrar na vida de Tony Soprano, família(s) e amigos, um parágrafo para falarmos de relações afectivas com séries. Quando gostamos delas e as mesmas são bem estruturadas, é natural que o seu fim chegue numa altura em que ainda nos encontramos presos a elas, aos seus personagens, às suas rotinas e que não os queiramos deixar ir. A meu ver, numa série com qualidade inicial nada é mais deprimente do que ir perdendo o interesse num enredo que se devora a ele próprio até não restarem mais do que rotinas e truques, reles sucedâneos do seu auge. As comédias são, por norma, boas vítimas disso, talvez porque sustentar um enredo cómico para além de um certo ponto se limite ao repetir de truques, tiques e rotinas, sem que o enredo avance por aí fora (para, muitas vezes, depois ter que se chegar a uma conclusão pouco satisfatória, porque acabaram os créditos e aquilo tem que se acabar dê por onde der).

Portanto, uma série de alto nível, para não o deixar de ser tem que acabar num ponto alto de interesse. E isto é o Ponto 1.

O Ponto 2 é que, tendo isso em conta, boa parte dos fãs vai ficar fodida com o final, seja ele qual for. Quando estamos agarrados criamos expectativas em relação ao seu final ou, simplesmente, não queremos que acabe, mesmo sabendo que isso tem data marcada. E é claro que os argumentistas não vão respeitar os nossos desejos, porventura muitas vezes acabam até por ter que ceder e não cumprir totalmente com os seus desejos iniciais.

Contudo, perante uma insatisfação que sei que não me vai largar, acima de tudo quero que me puxem o tapete e me supreendam, não quero aqueles finais de novela em que as pontas ficam todas atadas, os conflitos todos resolvidos e não ficam dúvidas por responder.

Sim, sou um fã de finais abertos, porque acredito que a imaginação de quem cria algo que cria empatia comigo, pode ter continuidade para além do fim existencial da coisa. Obviamente, não abomino todos os finais fechados, creio que de ambos os lados tem que haver uma mestria para aquilo não ficar a cheirar a refogado ou desaparecer em fade porque sim, como muitas músicas, só porque ninguém soube como terminá-las de outra forma. E, por falar em coisas que não podiam terminar de outra forma.

Um círculo perfeito à volta de Tony

CapturedPicture_15.png

Os Sopranos são uma obra prima a vários níveis, em termos de ficção televisiva, de enredo, casting e interpretação e por aí em diante, que nunca irá desaparecer ou diluir-se enquanto se falar do formato série e do seu Monte Olimpo. E sim, o eterno e malogrado Gandolfini era a alma e o pulmão da mesma, dentro de um elenco em que raros eram os papéis que não contribuíam de forma perfeita para o resultado final. Mas ter tudo o que é preciso na medida certa não basta, é preciso não jogar pelo seguro.

O rótulo ‘série de culto’ enquanto uma série ainda está a decorrer é algo impossível, mesmo numa época em que a validação imediata é o caminho para o sucesso, a relevância cultural só se ganha ou perde com o passar do tempo mas, neste caso, pela construção cuidada das várias temporadas, do enredo, da fina interpretação, até pela resolução das suas falhas (todas as séries as têm), o seu rótulo começou cedo a ser impresso e eu, que a acompanhei quase na íntegra em directo há muito que me interrogava em que estado me iria deixar o seu final, enquanto fã de ficção, de guionismo, do contar de histórias que nos prendam do princípio ao fim mas, acima de tudo, fã de Tony e do seu mundo.

Poupando-vos aos detalhes daquilo que é a recta final da série (se se lembram melhor, se viram e não se lembram, que boa desculpa para lá voltarem, se não viram, olhem que envelheceu bem e vale a pena) entremos nos últimos minutos do último episódio e é aqui que nos separamos dos que não querem saber, pois entramos em território spoiler.

Made in America, lixado à portuguesa

Começo por dizer que uma mágoa que tenho é a de não ter visto este último episódio em directo ou na emissão televisiva em Portugal. Vi-o gravado e isso é penoso para mim, que tenho o mau hábito de controlar o tempo dos episódios pois, sabendo a duração aproximada dos mesmos, começo a suar do bigode quando vejo que temos pouco tempo até ao fim e muita coisa para resolver. Começo a fazer futurologia de finais a 200 à hora.

Antes de falar do mesmo, imagino o histerismo de quem o visse em directo e aposto que alguns televisores possam não ter acabado em bom estado. Mas vejamos os últimos minutos. Uma família junta-se numa qualquer cafetaria americana, da qual não haverá retorno para nós, espectadores. A cena é comum, o final não se vislumbra óbvio.

Final aberto-fechado magistral ou ‘Que é esta merda, onde é que já se viu, não souberam acabar esta trampa e deixaram-nos pendurados? Tony? Tony? Estás aí? Bate duas vezes se me estás a ouvir’

Para mim, depois de uns palavrões da praxe, que poderei ou não ter dito, rendo-me às evidências. Isto é do melhor que já se fez, por todo o acumular de tensão (especialmente para quem está a ver o tempo que falta, vulgo eu), por todas as nuances de primeiro e segundo plano e por não cheirar a festa mofosa de final de série. Nós sabemos que tudo vai acabar, mas os personagens estão a viver a sua vida. Nós podemos desconfiar de A, B e C, mas isso não vai afectar em nada o desfecho. Nós tentámos reunir indícios todos, a partir dos últimos episódios que nos levaram ali, há pistas que nos deixam encher a barriguinha com o nosso poder de dedução, mas isso não servirá de nada, porque vamos comer o prato que nos serviram e não o que pedimos.

Cut to black abrupto, silêncio absoluto na música que nos pede para continuarmos a acreditar.

É morte? Claro que é, o assassino foi ali, depois passou além, o jogo técnico de pontos de vista, imagem e som a darem-nos baile em directo. Nem podia ser de outra forma, homens como Tony Soprano não vivem eternamente a gozar dos seu momentos à custa de tantas vidas desfeitas.

Mas, e se quiseres acreditar, continuando tu a trautear os Journey? É claro que podes fazê-lo, nada foi explícito, há margem para tudo, a vida ali continuou sem que nós saibamos como, porque a nossa também tinha que continuar aqui e eles quiseram deixar-nos uma semente na imaginação. E se…

Não creio que se pudesse fazer melhor, não acho que me poderiam dar mais satisfação do que me tirarem o tapete dos pés assim, deixando-me a pensar, a reviver momentos, pela decisão de não fecharem a porta das 90mil maneiras que poderia ter previsto. Simplesmente arrancaram a casa do chão.

Continuar a acreditar assim é fácil, mas extremamente difícil porque nos vamos deixar encantar por outras séries, outros contadores de histórias, todos eles a tentarem ser originais, a superar-se num oceano de ficção cada vez maior. Há muita coisa boa a ser feita, mas a relevância cultural faz-se das coisas que permanecem para sempre na memória, apesar de todas as novidades que se nos apresentam.

E estes pouco menos de cinco minutos são, no meu modesto entender, memoráveis por si só, sem necessidade de explicação em vídeos a dizer o que aconteceu e porque é que A faz isto, B fez aquilo e plano Y indica que o que realmente aconteceu foi Z ou ter que percorrer fóruns, threads e blogs a dizer que é bom, é mau ou devia ter sido assim ou assado. São memoráveis porque são a súmula perfeita da essência de Tony, da sua família, da sua vivência e do caminho que percorreram para chegar ali. O desfecho não é aquilo que vemos, é o que entendemos que deve ser.

E eu sempre quis que fosse algo em que eu continuasse a acreditar.

Anúncios

4 pensamentos sobre “10 anos depois do final dos Sopranos, I didn’t stop believin’

  1. Pingback: Moisés e os Mandamentos de Pearl Jam | A Normalidade

  2. Tanta coisa para ler, andas em grande forma! Texto notável, uma série notável, e um final incrível. Sou da escola que dá importância aos ‘finales’, mas com os Sopranos percebi que não é necessariamente uma necessidade de closure, é somente relativo ao sítio onde a série nos deixa. O meu grande trauma continua a ser a espirito-chachada do Lost, e num plano mais irritante a arrumação “limpinha” do Breaking Bad.

    Para mim The Wire será sempre GOAT, mas possivelmente não haveria The Wire sem Sopranos, portanto All Hail the King (Tony). Abraço!

    • Por algum efeito estranho do destino, o teu comentário foi parar ao traiçoeiro spam 🙂
      Ando a aproveitar o paradigma de – menos horas a dormir, menos disponibilidade para correr, mais foco para escrever. Ainda assim, a lista de drafts que para aqui anda diz ‘shame on me’. Acho que era a homenagem devida e, a meu ver, para além de ser a série que lança um bocado esta era de TV que vivemos o final tem tudo aquilo que se pode odiar, mas também é o golpe mestre de uma conclusão perfeita. O problema do Lost foi que provaram do seu próprio veneno do twist do twist do twist que resulta num kumba ya esotérico-pindérico. Breaking Bad segue um bocado a linha das novelas – resolução de tudo o que dá para ficar bem arrumadinho (e digo só pelo que li, porque ainda não vi a série na totalidade.

      The Wire é outra falha no currículo (mas eu tb só estou a despachar MadMen agora, neste caso foi mesmo delay intencional de protesto)
      Abraços

  3. Pingback: Vitalogy, Corduroy e a lenda dos Pearl Jam | A Normalidade

Tens a certeza disso que dizes?

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s