Ouro dos tolos, quem o não tem?

Quando estou em modo relax, um clássico que me deixa a navegar de olhos fechados é este:

Não sou um devoto de Stone Roses, mas têm faixas pelas quais tenho um carinho que sobrevive ao passar do tempo. Mas, sem entrar em debates musicais, a versão extensa desta música, deixa-me, sempre que me apetece, fazer um joguinho, brincando com o seu título.

Basta pôr-me a pensar em amigos, colegas ou pessoas com quem privo e tentar identificar qual será o seu ‘ouro dos tolos’, ou seja, aquilo que veneram/cobiçam/ambicionam/exibem, convencidos de que tem grande valor, quando na realidade vale cerca de zero, perante uma avaliação distanciada. Confesso que às vezes adormeço no processo, se a música estiver a tocar em condições propícias para esse efeito, o que é óptimo, é sinal que não estou de forma alguma a perder tempo.

E sim, todos temos o nosso ‘ouro dos tolos’, alguns em versão montanha, outros em versão montinho, mas ele anda por cá. Faz parte da nossa capacidade de auto-ilusão.

Anúncios

Tens a certeza disso que dizes?

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s