Salvador, seres Leonardo não devia chegar.

O valor da arte é de facto uma coisa muito subjectiva. Eis o valor sucessivo das vendas deste alegado Da Vinci descoberto recentemente:

60 dólares (1958) – Na altura pensava-se que teria sido pintado por um ajudante do Leonardo.

10.000 dólares (2005) – Ainda não era tido como um original, mas já levava trabalho de recuperação e era certo que vinha da oficina do mestre.

450 milhões de dólares e uns trocos (2017) – Quadro mais caro vendido em leilão, xinapá que é mesmo do Da Vinte (apesar de não haver consenso entre peritos).

TELEMMGLPICT000143250182_trans_NvBQzQNjv4BqJ0o_EBqxvWaODcNDhXekjDR_dFsE6ygYwU4ACt_xidM.jpg

A ‘piada’, para além das questões de autenticidade é que o quadro levou mais tinta e restauro em cima nos últimos anos do que a Lili Caneças quando sai à rua. Portanto, entre um Da Vinci medíocre e um óptimo restauro de um Da Vinci medíocre, a valorização apenas pelo nome do autor leva o comprador X a estes valores. Não interessa a estética, interessa a etiqueta e, em função de campanhas de comunicação e publicidade feitas a pensar na promoção do quadro, basicamente somos ‘forçados’ a adorar a perspectiva de um novo Leonardo, mesmo que pareça estar a anos luz da qualidade de outras obras suas.

A não ser que este quadro seja de Leonardo, a Tartaruga Ninja…

 

Um pensamento sobre “Salvador, seres Leonardo não devia chegar.

Tens a certeza disso que dizes?

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s