Unhas de gel, o filme

Tenho em mim a ideia cavernosa e, ao mesmo tempo, sedutora de que as unhas de gel são mais frequentes em senhoras que gostam de filmes de terror que metem vampiros e lobisomens, em que muitas vezes as protagonistas femininas têm verdadeiras armas brancas ao seu serviço. Uma situação em que a unha é mais um statement de ferocidade do que propriamente um auxiliar de ‘beleza’.

Contudo, ainda nunca tive coragem para discutir com a senhora da Well’s a que vou, com a menina da recepção do consultório da médica do meu puto ou com aquela colega que chega sempre a uma sala cerca de um segundo depois das suas unhas, se preferem o Drácula do Gary Oldman ou se a versão dos ‘Underworlds’ da Kate Beckinsale é mais apelativa. Se naquela odisseia de esferovita do Twilight é o Lobinho Mau Fofo ou o Cara Pálida que bebe batidos de sangue que puxa mais forte. Ou se o Willem Defoe, naquele filme de referência ao universo Murnau, não tem comparação com um Benicio del Toro empalhado num risível filme de lobisomens.

E, enquanto elas tamborilam de forma perfeita nas mesas e bancadas à sua frente, a falhar continua a ser minha, que nem sequer a piada das mulheres com garra arrisco.

O maravilhoso mundo das apostas do Superbowl

É perfeitamente legítimo que se estejam a borrifar para a final do futebol americano, Patriots vs Falcons, para o mundo alucinante dos anúncios publicitários que vão fazer as delícias nos seus intervalos e para o dinheiro que um evento destes gera. O que já não é tão legítimo que ignorem é o maravilhoso mundo das apostas absurdas que se fazem à volta do Superbowl.

Por exemplo:

Quantas vezes irá Giselle Bundchen aparecer durante a transmissão televisiva do jogo? (ela é casada com o Tom Brady, quarterback dos Patriots)

1027-tom-gisele-instagram-3(calma Tom, a probabilidade segundo Las Vegas aponta para 1,5)

Quanto tempo vai demorar Luke Bryan a cantar o hino americano?

(as apostas são: acima ou abaixo de dois minutos e 19. Para não fãs de música country, 10 segundos seria bonito)

A seguinte frase será utilizada pelos comentadores? (a final é em Houston)

(O sim lidera as probabilidades, mesmo que Tom Hanks não apareça)

De que cor será o líquido despejado na cabeça do treinador vencedor?

bill-belichick-gatorade-620x400

(Bill Belichick, treinador dos Patriots já venceu por seis vezes, pelo que já tem uma bela paleta na cabeça ao longo dos tempos. Ainda assim, entre as cores favoritas, roxo é a menos provável, com 12/1)

Durante a sua actuação ao intervalo, de que cor será o cabelo de Lady Gaga?

062111-gaga-lead-340

(Embora ‘ridículo’ não seja uma cor, consta que a base da aposta é entre ‘loira’ – a 1/4 ou ‘outra cor’ 5/2)

 

Caso queiram saber mais coisas sobre apostas estranhas do Superbowl e outras não tão estranhas, experimentem passar por aqui ou por acolá.

Não te deixarei morrer, livro de valor

Tens andado na mochila de um lado para o outro, já mais de meio caminho percorremos juntos e os destinos de vários personagens interessam-me mais do que tenho vindo a demonstrar. É o destino que nos tem separado, são os carrinhos de bebé que tornam os podcasts ainda mais sedutores, é o trabalho e mais não sei o quê.

Mas aqui te prometo Sunjeev, os teus foragidos não vão andar mais um ano à solta.

6617886-3x4-340x453

One night (band)stands

Há bandas com as quais tenho uma relação ‘one night stand’, ou seja, só lhes dou importância por causa de uma música que gosto ou que me chama a atenção entre tudo o que produziram. Atenção, é algo diferente dos ‘one hit wonders’, que por norma são bandas/artistas que tiveram uma música de jeito (ou, vá lá, algo que ficou no ouvido) ou daquelas bandas que começamos por só conhecer um tema durante algum tema até que vamos descobrir mais umas quantas e até percebemos que afinal é coisa para ouvir de forma mais abrangente.

E assim chegamos à minha relação com os Arctic Monkeys.

Não ponho em causa que seja uma banda de valor.

Não questiono que tenham inúmeros álbuns bons e músicas de embarda que valem a pena.

Não duvido que se fosse a um concerto iria gostar de ouvir, porque ao vivo é que é.

Não contesto que as faixas do álbum X sejam melhores que as do álbum Y, mas que há dois temas no álbum Z que são imperdíveis.

Para mim, Arctic Monkeys são isto:

 

Oiço isto em loop na boa durante meia hora e, do resto, não quero nem saber.

 

Personalidade do ano

Era giro que, em vez disto ser um prémio mediático/profissional, fosse uma funcionalidade que as pessoas usassem para anunciar aos outros que traços de personalidade iriam usar, neste caso em 2017.

rambo

Pessoal, em 2017 aviso já que a minha personalidade do ano vai ser ‘à Rambo’. Portanto, preparem-se que vou entrar a matar sem remorsos em muitos casos, mas terei os meus laivos de emoção e sentido de justiça, apesar da minha cara de pau não o demonstrar.

Não terei medo de arriscar no penteado e em colares ornamentais, mas ficarei irritado se me disserem que as permanentes já não estão na moda.

E falem comigo por escrito, já se sabe que não se percebe metade do que digo quando abro a boca.